Carreira

Como ser ouvido: 7 dicas para que prestem mais atenção em você

Escrito por Cristiane Romano

Você já percebeu o quanto andamos distraídos? Durante o expediente, basta que nosso celular vibre para que automaticamente coloquemos a mão sobre ele para checar a nova notificação. Às vezes, fazemos isso enquanto alguém está falando conosco. Uma tremenda gafe, não é verdade? 

O mesmo ocorre durante uma palestra, reunião de trabalho ou um simples papo no café. A pessoa se perde e, de repente, ela precisa de pedir para que se repita o que foi dito segundos atrás.  

Essa situação precisa acabar. Hoje, nós daremos 7 dicas de como ser ouvido e fazer o público prestar atenção em você. Acompanhe:

1. Sempre que possível, chame o interlocutor pelo nome 

Quando chamamos uma pessoa pelo nome, despertamos nela uma forma genuína de interesse. O nosso nome funciona como um filtro de audição seletiva, prendendo a atenção de quem está sendo convocado.

Por isso, é importante que, durante uma conversa, você cite o nome do interlocutor para que ele possa prestar atenção naquilo que você estiver falando.  

2. Atente-se aos sinais que sua linguagem corporal emite 

Vá para a frente de um espelho e simule uma conversação. Observe como o seu corpo se comporta. Seus braços estão cruzados? Seus olhos estão passeando pelo ambiente? E as mãos? Elas estão digitando algo no celular? Se o modo como você se comporta durante uma conversação não demonstra interesse pelo interlocutor, como espera deles essa atitude? 

3. Aprenda a variar o seu tom de voz 

Sabe aquelas pessoas que, ao falarem, nos transmitem uma sensação incontrolável de sono? Isso ocorre por causa do tom de voz delas, que permanece o mesmo durante todo o discurso.

Sendo assim, aprenda a variar o seu tom de voz. Faça como os telejornalistas e radialistas, que, ao lerem uma notícia, dão ênfase em determinadas palavras e mudam o tom de acordo com o que estiver sendo dito no momento. 

4. Livre-se dos vícios de linguagem 

Durante um discurso, apresentação ou mesmo uma conversa informal, identifique e abandone os vícios de linguagem, como “tipo”, “hum”, “ah”, “er” e “aham”, entre outros. Ao livrar-se deles, você conseguirá manter o seu raciocínio mais coeso e se sentirá ainda mais persuasivo e confiante na hora de transmitir uma mensagem para uma ou mais pessoas. 

5. Pense na maneira como você vai transmitir a sua mensagem 

Existem diferentes maneiras de se contar a mesma história. Você pode ir direto ao ponto ou contextualizar a situação por meio da história de vida de alguém ou uma situação pela qual viveu. Ao utilizar a técnica do storytelling, você pode atrair muito mais a atenção dos seus interlocutores.  

6. Faça algumas perguntas para fugir de um possível monólogo 

Durante uma explicação, conversa ou orientação, experimente fazer algumas perguntas para quem estiver ouvindo. Vale a pena perguntar se a pessoa está compreendendo, concordando ou se ela deseja fazer algum tipo de interferência. Isso permite que quem está do outro lado mostre se o seu interesse é genuíno ou não, podendo dar um tom mais interessante ao que está sendo dito. 

7. Adapte sua mensagem de acordo com o tipo de público 

Veja bem: se você tivesse que explicar as funcionalidades do seu smartphone para um jovem de 15 anos e para um idoso de 80, faria exatamente da mesma forma? Com certeza não!

A diferença de idade e de experiência de ambos faz com que eles precisem receber essas informações de maneira distinta. O mesmo vale para o seu público. Algumas pessoas não são tão instruídas acerca de determinado assunto e precisam que a mensagem seja adaptada. 

Preparado para fazer com que os demais sejam mais capazes de prestar atenção no que você diz? 

Se você gostou das dicas aqui apresentadas, nós te convidamos nos siga nas nossas redes sociais para ter acesso a outros conteúdos como este! Estamos no Facebook e no YouTube.

Sobre o autor

Cristiane Romano

Fonoaudióloga de formação, sempre foi apaixonada por Oratória e durante sua carreira percebeu o quando as pessoas deixam de ganhar e crescer profissionalmente por não possuírem domínio da oratória. Nos últimos 15 anos tem estudado e aplicado suas técnicas para milhares de pessoas, técnicas essas desenvolvidas e validadas em seu Mestrado e Doutorado pela Universidade de São Paulo (USP). Possui também formação internacional pela Universidade de Ohio nos Estados Unidos.

Deixar comentário.

Share This